O Afoxé “Amigos de Katendê” surgiu a partir da manifestação cultural da Bahia chamada “Badauê”, entidade que re-africanizou o carnaval da Bahia na década de 70 resgatando a herança africana do candomblé.

O dia 20 de novembro de 1994 marcou o nascimento do afoxé “Amigos de Katendê”, onde músicos, artesãos e capoeiristas confraternizaram e celebraram o Dia da Consciência Negra. A partir daí criou-se um grande marco da manifestação de rua de São Paulo.

O elo entre a Bahia e São Paulo se estabeleceu com a passagem do afoxé todos os domingos na Praça da República. Em 1994 o “Amigos de Katendê” participou do carnaval da Zona Leste, “José Bonifácio”, do projeto “Show do Meio Dia” da Secretaria Municipal de Cultura e do projeto “Recriança” na FEBEM-SP, até conquistar a participação do carnaval da Bahia em 1996 na inauguração do palco Gilberto Gil em Salvador.

Tendo em vista a importância cultural desta manifestação, o afoxé “Amigos de Katendê” conta com o apoio de diversas entidades como grupos de capoeira, o movimento negro unificado, Grupo Soweto e o apadrinhamento de Caetano Veloso e do Ministro da Cultura do Brasil Gilberto Gil.

Hoje o afoxé “Amigos de Katendê” participa de eventos ligados a feiras culturais, festas de capoeira, datas comemorativas e vem conquistando espaço em outros estados como Rio Grande do Sul, Minas Gerais, Amazonas e Santa Catarina.

Em São Paulo o “Centro de Capoeira Angola Angoleiro Sim Sinhô” desenvolve o projeto deste afoxé através do Mestre Plínio

O Afoxé Amigos de Katendê também participa de eventos culturais e fóruns:

Fórum da Educação

Fórum Cultural Mundial

Feira da Pompéia

Batizados de Capoeira

Festa de terreiros


Oficinas de Ritmo, Canto e Dança As oficinas de Percussão, Canto e Dança “Afoxés da Bahia” desenvolvidas pelo Afoxé “Amigos de Katendê” e dirigida pelo Mestre Moa do Katendê consistem em transmitir ao público a cultura e a história dos afoxés da Bahia e suas respectivas nações, ligadas aos ritmos do candomblé, a exemplo do ijexá. No decorrer da oficina os alunos poderão compreender a ligação dos ritmos do tambor com a dança e o canto e entrarão em contato com uma das mais ricas tradições afro brasileiras. As oficinas são abertas a todos que queriam adquirir algum conhecimento dentro do universo do rítmico afro brasileiro.

Saída do Afoxé

O afoxé Amigos de Katendê realiza saídas regulares durante o ano, em datas comemorativas, como dias santos, o dia da consciência negra, e também dias eventuais que o grupo escolhe para celebrar a nossa cultura ijexá. Participe conosco! Esse é o afoxé. Na rua emana paz, é um convite para que o mundo consiga mas paz, que as pessoas sejam mais amigas, mais respeitosas, busquem dentro de si essa harmonia que é o mais importante, então são mensagens musicais que dão uma energia muito gostosa a quem assiste, a quem participa, então essa é também a maior característica do afoxé, passar essa mensagem de uma forma bonita e transparente” Mestre Moa do Katendê.

Mestre Môa do Katendê é baiano de Salvador. Artista ligado às tradições Afro-baianas; compositor, dançarino, capoeirista, ogã-percussionista, artesão e educador, tendo descoberto suas raízes aos oito anos de idade no “ILÊ AXÉ OMIN BAIN” terreiro de sua tia e incentivadora.

Em 1977 consagrou-se campeão do Festival da Canção Ylê Aiyê, o primeiro bloco afro do Brasil, e em Maio de 1978 fundou o afoxé “Badauê”, que desfilou pela primeira vez no ano seguinte e tornou-se campeão do carnaval na categoria de afoxé. Nos anos 80, 82 e 83, o “Badauê” mais uma vez sagra-se campeão.

Em 1995, com a união de colegas e admiradores da cultura afro brasileira, surge o grupo de afoxé “Amigos de Katendê”, que neste mesmo ano participou do carnaval em São Paulo na Cohab José Bonifácio.

Em 1996 o grupo viaja a Salvador reintegrando os componentes do “Badauê” e outros afoxés e desfila no carnaval, estabelecendo assim um intercâmbio entre Bahia e São Paulo. Atualmente Mestre Moa do Katendê vem ministrando oficinas de afoxé na Bahia, Sudeste e Sul do Brasil e na Europa e é o coordenador geral do afoxé “Amigos de Katendê”.

Mestre Plínio é um dos percussores da capoeira angola de São Paulo, ministrando aulas desde 1992. Há mais de oito anos coordena o trabalho do Centro de Capoeira Angola Angoleiro Sim Sinhô, que hoje já tem sedes em Florianópolis e Atibaia e desenvolve trabalhos sociais em S. Bernardo do Campo e na Zona Leste de São Paulo.

Integrante do afoxé “Amigos de Katendê” desde do início, o Mestre Plínio é hoje o responsável pela realização deste afoxé aqui em São Paulo.